sábado, 3 de dezembro de 2016

Quando um site porno atrapalha e quando ajuda um casal

Você já assistiu a um filme pornô? Tem quem seja espectador fiel, quem assistiu uma vez ou outra na vida e outros que também nunca assistiram. A questão é que o que pode ser muito excitante para uns, para outros é desconfortável e até vergonhoso. Não tem nada estranho em não ter interesse de assistir filmes de sexo.

Por mexer tanto com intimidade sexual, os filmes pornôs podem chocar. É importante lembrar que esses filmes são obras de ficção como qualquer outro e seguem roteiros que são encenados por atores.


Os homens tem maior facilidade para assumir que assistem a filmes pornôs, faz parte de seu cotidiano, assim como assumir a masturbação. A sexóloga Valéria Walfrido explica que “segundo opiniões de diversos participantes de nossas oficinas, palestras e sessões, os homens citam que o filme pornô ajuda a esquentar o clima na cama”.

Mas para as mulheres, como sempre acontece quando o assunto é sexualidade feminina, assumir publicamente que assiste a filmes pornôs, mesmo que só para amigos ou para o namorado, pode ser um grande tabu. A sociedade ainda não se acostumou muito bem com mulheres que gostam de sexo, ainda mais com as que assistem a um filme pornô sozinhas.

Existem filmes pornôs e filmes eróticos, são categorias diferentes. No filme erótico, há sexo e situações excitantes, mas ele traz também uma trama e enredos mais elaborados do que um filme pornô. No pornô o sexo é o tema principal, quando há alguma história ela sempre terá como finalidade o sexo, com closes e muita variedade.

O problema do filme pornô pode ser um choque de realidades. Quem já teve experiências sexuais sabe que o que vemos nos filmes não é como acontece no sexo da vida real. Nos pornôs, os personagens geralmente estão dispostos a qualquer modalidade sexual, sem envolvimento emocional, o que, a não ser talvez com profissionais do sexo, não corresponde a uma relação comum.

Os prós e contras do filme pornô

Assistir a filmes pornôs sozinha pode garantir uma boa diversão, além de trazer ideias novas, liberar velhas restrições e te deixar mais animada para o sexo. Muitos casais também aproveitam essa modalidade cinematográfica para esquentar a relação e se inspirar para novidades.

A psicóloga clínica especialista em relacionamentos, Pâmela Magalhães, comenta que “assistir a filmes pornôs com o parceiro pode ser positivo, desde que ambos acatem a proposta e se divirtam com isso. Do contrário, pode ser estressante e angustiante para uma das partes por sentir-se desconfortável com a brincadeira”.


Foto: Thinkstock

Por outro lado, esse tipo de filme pode criar problemas para um casal. Não é novidade que muitos jovens se viciam em assistir a filmes pornôs, normalmente algo que acontece na puberdade. Mas adultos também podem se viciar, chegando até uma fase em que dependem deles para a excitação. A sexóloga Valéria Walfrido chama a atenção para esse problema, mais comum do que imaginamos: “Assistir a filme pornô é válido quando é apenas mais um complemento para aquecimento da relação a dois, para que não caia na rotina. Porém há casos em que tais filmes, deixam de auxiliar e passam a atrapalhar a relação, quando o casal ou um dos parceiros só consegue estimular-se, ou até ter uma ereção, assistindo-os”.

Além de poder gerar dependência, o filme pornô traz outro risco para a saúde sexual. O que vemos nos filmes pode acabar influenciando nossa maneira de imaginar com é o sexo ideal. Valéria Walfrido complementa: “O filme pornô nada mais é que uma atuação. Na película, normalmente são demonstrados pênis avantajados, gritos orgásticos, posições sexuais muitas vezes inusitadas, objetivando despertar a curiosidade, aumentar a libido e obviamente estimular a maior aquisição dos mesmos”.

“A influência desses filmes pode trazer problemas quando começamos a tecer comparações, confundindo a realidade com a ficção, como por exemplo, pênis grandes constrangendo parceiros com membros não tão avantajados ou a prática do sexo anal com violência, esperando que a parceira responda tal qual a atriz com gritos e gozos escandalosos mesmo sentindo incômodos”, explica a especialista.

O interessante é aproveitar os filmes da melhor maneira e brincar de equilibrar o real e o imaginário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário